O sol e os cuidados a ter com a pele do bebé

0
215

Chegou o calor e com ele os tão desejados passeios ao ar livre, como as idas à praia, à piscina, ao rio, aos parques… 

O sol faz parte da nossa vida e que bem que sabe senti-lo! Emite grande parte da sua energia pela sua luz solar que, além da radiação visível, transmite radiações invisíveis prejudiciais para a pele.

Mas não nos podemos esquecer que a juntar aos efeitos prejudiciais a nível cutâneo (queimaduras solares), há ainda os efeitos ocular e imunológico.

Além de que os seus efeitos são cumulativos, o que significa que ele guarda memória das nossas más atitudes (do presente) que podem trazer efeitos dramáticos no futuro. 

Mas nem tudo é mau… o sol tem os seus benefícios-naturais, nomeadamente, a radiação ultravioleta, que é indispensável à vida na Terra por regular a temperatura, promover a fotossíntese, temporizar os ritmos biológicos, ser responsável pela degradação de toxinas e formação de várias substâncias biologicamente importantes, sendo o melhor exemplo a vitamina D, que pode ser obtida após 10 a 15 min de exposição solar.

Mas e os bebés, poderão estar expostos ao sol?

As principais recomendações das sociedades científicas defendem que a exposição solar direta deve ser evitada em bebés com menos de um ano de idade.

Isto não significa que devam ficar em casa até essa idade, bem pelo contrário, as atividades ao ar livre são bastante recomendadas e os passeios devem ser incentivados desde o primeiro mês de nascimento. 

Com que cuidados?

Ora vejamos, através da aplicação de creme protetor nas áreas expostas da criança durante esses passeios. Devemos ter em consideração que as exposições aos raios ultravioleta (UV) não existem só quando apanhamos sol na praia, mas também durante estes simples passeios.

Será a pele da criança mais suscetível a queimaduras?

A pele da criança é estruturalmente semelhante à pele do adulto, embora seja mais fina, frágil e vulnerável a agressões externas, nomeadamente à radiação luminosa.

Tendo uma epiderme mais fina, e também com menos melanina, a queimadura solar é assim mais fácil no bebé do que no adulto. Ter este conhecimento é um sinal de alerta, pois felizmente existem medidas que ao serem tomadas podem proteger as nossas crianças.

Que cuidados se deve ter na escolha do protetor solar?

(…)

Existem horas menos perigosas?

Evitem as horas de maior intensidade de radiação UV, nomeadamente o intervalo entre as 11h e as 17horas. 

Que tipo de vestuário é aconselhado?

(…)

O tipo de alimentação também nos protege?

(…)

Mantê-los à sombra: sim ou não?

(…)

As crianças, em virtude de apresentarem uma maior facilidade de queimadura solar, uma menor noção dos riscos e de capacidade na adesão de comportamentos protetores, devem ser protegidas por NÓS, pais, cuidadores, através de vários comportamentos, sendo que o primeiro é dando o exemplo!

POR: Cláudia Xavier  Enfermeira Especialista de Saúde Infantil e Pediatria, Mentora do Projeto Mom&Babycare

ARTIGO DISPONIVEL NA INTEGRA NA EDIÇÃO 20 Á VENDA NA LOJA ONLINE, COM OFERTA DE PORTES DE ENVIO