SOCORRO … Tenho um filho hiperactivo!!!

0
108
A cute toddler boy smiles really big and silly and looks away as the sun is setting

Já muito se tem falado sobre hiperactividade, mas ainda existem muitos mitos sobre este quadro, conjuntamente com um sentimento de impotência por parte dos pais perante um filho hiperactivo.

Ter um filho irrequieto nem sempre é sinónimo de hiperactividade, pois há que distinguir a alegria típica de uma criança, e a dificuldade em seguir ordens ou ter momentos mais calmos de actividade diária de um hiperactivo.

O que é o quadro de hiperactividade com défice de atenção (PHDA)

A perturbação de hiperactividade é um quadro distinto das perturbações disruptivas do comportamento e, que se manifesta desde tenra idade, através de um comportamento mais agitado e desobediente, quase sempre em conjunto com um défice de atenção e dificuldade de concentração nas tarefas/actividades, além de comportamentos muito impulsivos. Por vezes, determinados comportamentos de uma criança poderão ser apelidados “de falta de educação”, mas na base, são somente reforçados pela existência deste quadro.

Este comportamento surge nos diversos ambientes em que a criança se move, começando em casa na relação pais/filhos e extrapolando para a creche/escola e amigos.

São crianças que por serem muito irrequietas, poderão sofrer muitos castigos e ser igualmente rejeitadas pelos pares, por não serem claramente compreendidas.

Como diagnosticar ou avaliar este quadro

Essencialmente é um quadro comportamental, para o qual apenas existem critérios de análise bem definidos. È necessário que a criança tenha no mínimo 6 critérios de défice de atenção ou de hiperactividade/impulsividade., durante pelo menos 6 meses, com origem antes dos 12 anos de idade e em pelo menos dois contextos ambientais.

No seu conjunto, estes comportamentos terão que ser invalidantes para a criança e interferir directamente no seu desempenho e bem estar diários (escola e socialmente).

Há que avaliar, comportamentos como os seguintes:

– dificuldade em prestar atenção aos detalhes das tarefa/actividades e facilmente comete erros

– dificuldade em manter a atenção e concentração

– dificuldade em organizar tarefas e organizar o seu comportamento de forma sequencial

– facilidade extrema em se distrair com estímulos alheios às actividades

– dificuldade em permanecer quieto e sentado, mexendo muito o corpo

– dificuldade em realizar actividades de lazer e mais calmas

– falar muito rápido e em excesso

Estes são alguns dos comportamentos mais frequentes, mas cada criança terá igualmente a sua personalidade base, a qual faz com que existam comportamentos mais típicos numa criança e mais raros noutra.

Procure ajuda junto de um psicólogo clínico cognitivo comportamental, se identificar alguns destes comportamentos no seu filho, com os quais tem dificuldade em lidar.

Qual a origem da hiperactividade

È um quadro multifactorial, mas é essencialmente de origem genética/química. Uma criança hiperactiva quase sempre teve um pai já com comportamentos de hiperactividade, embora possa ter sido em grau diferente.

Diversas investigações referem um défice de dopamina, neurotransmissor responsável pelo controlo dos impulsos, entre outros neurotransmissores igualmente reguladores do comportamento. Deste modo, não há como evitar esta transmissão de genes e sua mutação de pais para filhos.

Igualmente também há factores ambientais, que poderão influenciar a origem deste quadro, tais como o consumo de álcool pela mãe, parto prematuro, atraso no neurodesenvolvimento, entre outros.

Como lidar em casa e na escola com uma criança hiperactiva

Para podermos ajudar uma criança hiperactiva, a atitude a ter deverá ser de apoio e nunca de punição, pois fará com que esta se sinta culpabilizada por não conseguir controlar o seu comportamento e assim , formar uma auto estima mais baixa.

Deverão ser colocadas diversas estratégias em prática, as quais serão sempre um esforço complementar entre pais/família e os professores. Das diversas mudanças a realizar, verifique algumas das seguintes estratégias mais eficazes:

– se a criança estiver muito irrequieta, faça uma actividade que o estimule e a qual ele desempenhe correctamente (brincar com plasticina, ajudar no jantar, arrumar algo). Foque-o numa tarefa que o relaxe e lhe dê prazer;

– se o seu filho estiver muito ansioso, ensine-lhe de forma lúdica, como relaxar através da respiração. Exemplifique deitando-se no chão e peça-lhe para repetir, dando incentivos;

– se a criança falar muito rápido e alto, para chamar a atenção, faça o seguinte jogo: diga-lhe que primeiro tem que pensar e depois disso é que fala. Exemplifique tocando na cabeça para primeiro pensar e toque posteriormente na boca, para se falar;

– evite televisão e tablets ou jogos. Fazem com que a criança fique mais ansiosa. Escolha actividades mais físicas, em que haja contacto e permita que o seu filho relaxe;

– reforce sempre que a criança cumprir ordens ou se portar correctamente, mesmo que no dia seguinte tenha que repetir novamente quais as regras a seguir;

– mantenha um tom de voz calmo e baixo. Estabeleça um ambiente mais relaxado;

– faça actividades extra curriculares, nas quais o seu filho tenha bom desempenho, seja aceite e seja um exemplo a seguir. Exemplo: uma actividade física, ou outra, que o faça gastar energia e acalmar;

– estabeleça regras simples e fáceis de cumprir, seja em casa ou no exterior. Escreva as regras e afixe-as num local visível como a porta do frigorifico;

– faça um quadro de comportamentos positivos que a criança deverá fazer, anote sempre que ela os cumprir e dê pontos. Estabeleça pequenos prémios para cada grupo de pontos. Exemplo: ir ao parque, fazer um jogo lá em casa, ir comer um gelado, etc;

– estabeleça com o professor do seu filho, quais as regras que combinou que ele cumpriria na sala de aula e peça ao professor para elogiar e reforçar positivamente o seu filho sempre que este cumpra o prometido;

Uma criança hiperactiva, é uma criança igual a tantas outras, mas com extremas dificuldades no cumprimento de regras auto reguladoras do seu comportamento e da impulsividade.

No entanto, com paciência, calma, amor e carinho, os pais, os professores e caso necessite, o psicólogo clínico, conseguirão mudar o comportamento da criança hiperactiva, através da modificação do seu comportamento e forma mais impulsiva de estar.

POR : CÉLIA FRANCISCO_ Psicóloga Clínica