Saiba o que o seu filho anda a fazer na Internet

0
55
Little boy sitting on grass and using tablet computer to watch or share photo and video files

A Internet será cada vez mais uma ferramenta de estudo e de trabalho para os seus filhos

Porém, como tão bem sabe, é usada para outros fins, nomeadamente para entretenimento, e o mundo virtual está repleto de perigos aos quais deve manter-se atento. 

Existem pessoas mal-intencionadas, tentativas de extorsão de dinheiro, burlas, roubos de identidade e conteúdos inapropriados. Há que estar atento aos perigos cibernáuticos, por isso, está na altura de tirar algumas dúvidas. 

Para já, é importante ter-se a noção de que quando navegamos na Internet ficamos sujeitos a que acessem a dados pessoais que pretendemos não partilhar.

É preciso ter muito cuidado com as permissões que fazemos e assegurar que temos bons softwares antivírus, instalando apenas programas e aplicações fiáveis e disponibilizando informações que não comprometam a nossa privacidade.

Para se ter ideia, uma pesquisa feita nos Estados Unidos concluiu que quatro em dez adolescentes já publicaram dados pessoais na internet, quase 70% dos jovens visitaram sites de namoros e cerca de 20% das crianças falaram com pessoas desconhecidas em chats.

Se a criança tem entre 9 a 12 anos, aconselha-se que a acompanhe quando esta usar o computador. Estabeleça igualmente limites para os seus filhos de 13 a 15 anos, seja em relação ao que podem ver, seja restringindo o tempo que passam online.

De qualquer modo, será sempre importante que fale com eles, pondo-os a par dos riscos que existem, dando-lhes inclusivamente exemplos de situações reais que já ocorreram.

Uma das indicações que deve deixar, é a de não adicionar um desconhecido às suas redes sociais e muito menos estabelecer qualquer tipo de contacto com ele, evitando assim que tenha acesso a informações que vá colocando no Facebook ou Instagram ou que tente alguma espécie de abordagem pelas caixas de mensagens privadas.

Através das fotos que as crianças e jovens vão publicando é muito fácil ficar a saber a escola onde estudam, o bairro onde vivem ou outras rotinas. 

Desenvolver relacionamentos com estranhos está fora de questão, pois os predadores online são um dos principais desafios virtuais da atualidade.

Usam fotos de perfil falsas, seduzem as crianças e jovens com as mais variadas situações, como por exemplo promessas de que vai conseguir fazer do jovem um modelo ou um jogador de futebol, até conseguirem um encontro presencial, que nunca acaba bem. 

Por outro lado, nas redes sociais e nas mensagens privadas, é preciso estar atento ao chamado cyberbullying, que provoca inúmeras consequências psicológicas às vítimas.

Com a facilidade de espalhar informações pela internet, diferentes grupos difamam e ofendem indivíduos de forma oculta. Porém, na maioria das vezes, essas ofensas ultrapassam a realidade virtual e chegam até as escolas, levando jovens a apresentar diferentes patologias psicológicas.

Há depois uma série de links perigosos aos quais é preciso estar muito atento. Para os adultos, pode ser mais fácil perceberem que são falsos, mas para os mais novos nem tanto.

São links que prometem prémios, surpresas, coisas muito aliciantes e ao clicar neles, poderão estar a abrir uma porta de acesso livre para os hackers invadirem o dispositivo eletrónico e terem acesso a uma série de informações da família.

A ideia será sempre manter a proximidade com os seus filhos e dialogar sobre o que fazem na internet, alertando-os para estes riscos acima referidos. Por outro lado, tentar manter os dispositivos em zonas comuns da casa e instalar softwares que lhe permitam algum controlo parental. 

Existem já muitas soluções direcionadas aos pais para que possam restringir por exemplo o tempo em que os filhos estão online, as compras que fazem no mundo virtual, ou saber que sites andam a visitar.

É importante que em idades novas se garanta uma navegação segura, havendo alguns programas em que o acesso a determinados sites pode ser mesmo bloqueado.

Há de haver uma altura em que o seu filho estará preparado para mergulhar com mais independência no mundo virtual, mas essa educação também tem de ser feita e até chegar ao ponto ideal, há que estar atento a estes riscos.