PREPARAÇÃO PARA O PARTO

0
217

Entrevista com a Enfermeira Vanessa Costa

São muitas as mulheres que preferem optar por um parto normal. Porém, o parto normal é muitas vezes sinónimo de dor. De que forma se deve encarar esta questão?

A  Dor no trabalho de parto é um fenómeno complexo. pois existem mui ­ tas dimensões da dor que contribuem para a sua perceção. As dimensões referidas são a biológica. psicológica. afetiva, social e religiosa, sendo que todas elas ou parte vão contribuir para a experiência dolorosa do parto. Para abordar esta questão é importante tam­bém introduzir a noção de sofrimento. porque muitas vezes temos mulheres que a analgesia retirou a dor física das contrações.  mas mantêm  um gran­de sofrimento. contribuindo este facto para uma experiência negativa de tra­balho de parto. Na minha opinião é im­portante preparar para a Dor como um processo natural inerente à contração do útero. mas o modo como essa Dor é percecionada é que deve ser diferente, é  importante  que cada  mulher compreenda que sem contrações não existe nascimento e que a Dor que irá sentir nunca será tão intensa que não permita à mulher parir. Mas. se a anal­gesia for uma decisão, considero que não podemos deixar de lado estratégias não farmacológicas, que vão contribuir não só para a diminuição do sofrimento materno, como as massagens, a mu­sicoterapia, a aromoterapia. a hidroterapia, o acompanhamento por alguém significativo; mas também vão contri­buir positivamente para todo o proces­so biológico do trabalho de parto, como a deambulação. os movimentos da ba­ cia. as posições maternas. o ambiente hospitalar, entre outras. Compreender o parto como um processo, capacitar os casais e acompanhá-los nas suas escolhas é muito importante , para que no futuro haja não só mulheres sem Dor. mas sim mulheres/ casais com elevados níveis de satisfação no que diz respeito ao nascimento dos seus filhos.

Sabemos que o parto normal é mais saudável para mãe e filho. Estará a pa­ lavra relaxamento no cerne de se levar esta tarefa a bom porto?

O relaxamento é muito importante, as­sim como todas as outras estratégias não farmacológicas que referi anterior­ mente, mas a verdade é que é necessário primeiro capacitar os casais para o trabalho de parto, pois sem informação e segurança, não existe margem para haver relaxamento. A confiança em si e no processo natural de trabalho de par­ to são dos primeiros e essenciais passos para o relaxamento.

Recorrer a técnicas para aliviar natu­ralmente a dor é imprescindível?

Na minha opinião sim, são imprescindí­veis, pois só esta visão é que pode trans­mitir às mulheres/casais a confiança necessária para o parto eutócico. con­siderado o parto normal. A integração de estratégias não farmacológicas no trabalho de parto vai  permitir devolver às mulheres a sua participação efetiva em todo o processo. contribuindo des­te modo para uma verdadeira experiên­cia positiva e satisfatória das mulheres/ casais no nascimento dos seus filhos.

O que é e em que consiste a técnica de Jacobson?

A técnica de Jacobson tem por base o relaxamento muscular progressivo. Foi um médico. Edmund Jacobson. no iní­cio da década de 20 que introduziu este conceito. ligando a ansiedade à tensão muscular. Assim. segundo Jacobson, ao relaxar voluntariamente os músculos do corpo, podemos ter um efetivo relaxa ­ mento corporal e reduzir os níveis de ansiedade.

Respiração abdominal e respiração ofegante, em que alturas se devem as mesmas aplicar?

A respiração abdominal é muito impor­tante. pois focar a atenção na inspira­ção e expiração vai permitir uma cone­xão com o nosso corpo. contribuindo deste modo para a diminuição da ansie­ dade e para o relaxamento. A respiração abdominal é  uma  técnica fundamental e aconselho sempre que seja usada en­tre as contrações, de modo a que cada mulher possa conectar-se com o seu corpo, relaxar e ganhar novas energias para as contrações futuras.

A respiração ofegante, na minha opi­nião deve ser usada o menos possível. e sem ser incentivada . Pode acontecer no decorrer do trabalho de parto. quando os níveis de ansiedade ou dor estão aumentados. mas o voltar a concentrar numa respiração abdominal, vai favore­cer todo o processo de trabalho de par­ to, pois não só promove o relaxamento, como também, aumenta também os níveis de oxigénio e diminui a acidose metabólica.

Que técnicas se podem aplicar para ajudar o corpo a manter-se calmo e tranquilo?

As técnicas que podem ajudar a mulher a manter-se calma e tranquila depen­dem muito de cada mulher. por isso quem está a acompanhar o trabalho de parto e parto deve conhecer as esco­lhas individuais de cada grávida/ casal. Mas, as técnicas de respiração e rela­xamento. são muito importantes. assim como. as massagens, a musicoterapia, a hidroterapia. a aromoterapia.  todas as técnicas  que  contribuem  para  que a mulher se sinta confiante. segura e acompanha da em todo o processo.

É importante o casal frequentar um curso de preparação para o parto?

Não poderia nunca responder que não é  importante.  pois  considero  fundamental nos dias de hoje, a participação de um casal num curso de preparação para o parto. Primeiro. porque existe um excesso de informação disponível. mas nem sempre credível, existindo nes­tes cursos informação atualizada que permite a real capacitação da mulher/ casal. Depois. considero também, que na nossa sociedade moderna e mais ci­tadina. as pessoas vivem muito isoladas. os cursos de preparação para o parto. não só informam. mas principalmente acompanham os casais durante a gra videz. parto e pós- parto. através das dinâmicas de grupo, mas também no apoio efetivo em períodos críticos do pós-parto e da amamentação. Promo ­vendo deste modo uma vivência positi­va da parentalidade

 

Há que desenvolver capacidades que proporcionam aos pais certas habilida­des para cuidar do bebé de uma forma mais segura?

Claro que sim…nos dias de hoje o nas­cimento de um  bebé já  não  acontece tão  frequentemente   no  seio  de  uma família e, muitas vezes o primeiro con­tato com um recém-nascido é apenas quando os seus filhos nascem. Assim. para um casal que vão ser pais pela pri­meira vez. as dúvidas são muitas. mas essencialmente  a   confiança   é  muito pouca.  É  muito  importante  dar  ferra­ mentas. mas também promover a con­fiança. pois cada família é uma família e as escolhas devem ser de cada um, apenas  tendo  por   base  informações credíveis  e atualizadas.  Deste  modo. poderemos  ter  num  futuro, pais  mais confiantes e informados. e famílias mais felizes

Qual a altura certa para começar o curso?

Um curso de preparação para o parto deve ser iniciado, preferencialmente. entre as 24 e as 28 semanas de gestação.

Quais as vantagens de um casal fre­quentar um curso de preparação para o parto?

As vantagens são muitas. como fui refe­rindo ao longo desta entrevista. muitas não são mensuráveis a curto prazo. Mas também. como costumo dizer aos ca ­ sais que fazem preparação para o parto comigo. tenho a esperança que no fu­turo possa ir mudando o modo como se nasce em Portuga l. e deste modo. mudar também a sociedade onde nos inserimos. para uma sociedade onde o amor. o respeito e a confiança. pos­sa ser devolvida a cada mulher. a cada família.

E quais são os grandes benefícios prá­ ticos dos cursos de preparação para o parto?

Os benefícios práticos de um curso de preparação  para o parto são  todos os que passam por o acesso a informação cientifica.  credível e  adequada  a  cada mulher/ casal grávido sobre a gravidez. trabalho de parto e parto; mas também por ter o acompanhamento e apoio ne­cessário nesta fase da vida . Mulheres/ casais capacitados aumentam taxas de partos normais, diminuem taxas de ce­sarianas. aumentam taxas de amamentação exclusiva.  diminuem as depressões pós- parto. Assim. não podemos só ver os benefícios práticos dos cuidados ao  recém- nascido  ou  na  amamenta­ção. quando   falamos   num  curso  de preparação para o parto. para mim são aspetos redutores. Fazer um curso de preparação para o parto é a possibilidade de obter ferramentas que vão contri­buir para uma vivência mais positiva da parentalidade.

CUIDADOS  PRIMÁRIOS DO RECÉM-NASCIDO

Quais as maiores e mais comuns inse­guranças que assolam os futuros Pais? As maiores inseguranças dos futuros Pais são as que têm haver com os cui­dados de higiene ao recém- nascido. ou seja. o banho. a mudança da fralda. os cuidados ao coto umbilical; mas tam­bém a amamentação.

O que são os cuidados primários?

Os cuidados primários são aqueles que permitem a sobrevivência e desenvolvi­ mento do recém- nascido. a higiene. a alimentação e na minha opinião tam­bém o colo e o amor…

São eles  imprescindíveis  para  o bom desenvolvimento  do recémnascido? Claro que sim. sem eles podemos  pôr em risco a sua vida. num caso extremo. mas podemos. de certo. pôr em risco o seu desenvolvimento saudável.

De que forma se podem os Pais prepa­rar para os fornecer?

Os pais devem começar ainda durante a gravidez a pensar nestas questões. as­ sim. na minha opinião, a frequência de um curso de preparação para o parto é fundamental.

Entrevista com a Enfermeira Vanessa Costa