Pele cuidada, netos felizes

0
71
beauty, skin care and moisturizing concept - portrait of smiling senior woman touching her face over blue background with bubbles in water splash

Rugas, manchas e maior flacidez são alguns dos sinais que a pele nos dá de que já não vamos para novos. O maior órgão do corpo perde hidratação, oleosidade e elasticidade à medida que os anos vão passando, mas há cuidados que podem ajudar a travar este processo.

Na terceira idade as doenças da pele requerem cuidados redobrados. É verdade que estas doenças ocorrem em todas as idades, mas a partir dos 60 anos a incidência é maior. Isto porque, segundo os especialistas, entre outras coisas, a pele perde a sua oleosidade natural, estando por exemplo mais suscetível ao aparecimento de manchas.

Por outro lado, a regeneração das células já não se faz como antes e isso também acaba por provocar mais fragilidades. A pele é uma barreira protetora impermeável que impede a perda de líquidos e a penetração de substâncias e de microorganismos. Protege também o organismo das radiações ultravioletas do sol e é a sede de reações imunológicas relacionadas com a defesa do organismo.

Com o avançar da idade, estas funções fragilizam-se, ficando menos defensiva às agressões do meio ambiente.
A perda de água da pele (desidratação) inicia-se por volta dos 25 anos e é acompanhada do desaparecimento de fibras do colágeno, proteínas que são a base da sua elasticidade. Por isso é que a pele começa a enrugar-se e a ficar mais flácida. As glândulas sebáceas e sudoríparas diminuem, fazendo com que a pele fique mais seca e com menor capacidade de adaptação às variações de temperatura.
Ao mesmo tempo, a partir da terceira idade, verifica-se uma diminuição de vasos sanguíneos, bem como da sua função imunológica, o que facilita o desenvolvimento de infecções.

As perdas ao nível da pele são generalizadas, existindo também menos folículos pilosos com a consequente queda no número de cabelos e pelos. As unhas já não crescem à mesma velocidade e tornam-se mais quebradiças.

É nesta idade que aparecem os chamados angiomas ou manchas avermelhadas.

A pele reflete muito o envelhecimento do ser humano, quer através das rugas, de manchas, ou flacidez. Mas mais do que sintomas meramente estéticos, estes são de facto sinais de que o maior órgão do corpo está mais frágil e mais sujeito a doenças. Daí que seja frequente os idosos sentirem comichões, porque esta se encontra mais ressequida, podendo resultar muitas vezes em pequenas lesões.

Tendo em conta tudo isto, há que ter cuidados redobrados com a pele. Deixamos alguns conselhos que ajudam a preservar melhor a cútis.

Banhos mais frios e curtos

Ficar muito tempo a tomar banho com água quente piora o ressecamento da pele. O ideal é que a água esteja no máximo morna, evitando esfoliações, para não alterar a composição do manto hidrolipídico, camada hidratante natural do organismo.

Abuse dos hidratantes

Os especialistas recomendam o uso de um hidratante tenha propriedades emolientes, que aumentam a camada de gordura de corpo; umectantes, para melhorar a quantidade de água disponível; e oclusivas, que diminuem a evaporação desse líquido. A aplicação deverá ser feita pelo menos duas vezes por dia e de preferência logo após o banho, uma vez que os poros estão mais abertos e o produto penetrará de forma mais eficaz. Pode ser um creme, uma loção ou um óleo, desde que ajude a hidratar a pele.

Beber bastante água

Este é daqueles conselhos válidos para todas as idades, mas ainda mais nas pessoas mais velhas, uma vez que tendem a sentir menos sede. Caso não haja contra-indicações médicas, o ideal será dois litros ao longo do dia.

Lábios têm de merecer atenção

Os lábios são muitas vezes negligenciados, mas também sofrem com a desidratação e envelhecimento da pele. Fatores como o clima seco e as temperaturas baixas pioram a situação. Assim, para evitar rachaduras, é essencial o uso diário de um fotoprotetor labial, que contém filtro solar, e hidratantes específicos para a boca. À noite, dá para dormir com um produto mais viscoso, como o mel, que ainda melhora a cicatrização de lábios que já estão magoados.

Cuidado com a exposição ao sol

O risco de cancro aumenta com a idade, nomeadamente o cancro da pele, que se encontra mais permissiva. É saudável alguma exposição ao sol, mas em horas de menos calor e em períodos menos longos, até porque os raios solares aceleram o envelhecimento e podem provocar as indesejadas manchas. É importante o uso diário de proteção solar e proteja-se com bonés e óculos escuros