Os riscos de uma geração que se esconde por trás de filtros

0
112
Happy teen girl standing, smiling on pink studio background, making selfie photo by mobile phone. Human emotions, facial expression concept. Front view.

São cada vez mais as empresas de software que desenvolvem aplicações que distorcem rostos e corpos, numa criação de padrões de beleza irreais que, usados em excesso, podem provocar problemas de autoestima e danos na confiança e na saúde

A adolescência é a fase da afirmação, da definição do estilo e da solidificação de carácter.

É também a altura em que os namoricos ganham mais força e em que a aceitação entre pares ganha um poder especial. Os mais populares da escola ou do bairro são vistos como verdadeiros exemplos a seguir e, nesta era digital, a “popularidade” alcançada através das redes sociais assume igualmente especial importância.

Atentas aos interesses dos mais jovens e seguindo as tendências, as empresas do sector têm criado como cogumelos aplicações que permitem “embelezar” ou, digamos, corrigir o que não se gosta na imagem.

São apps com filtros que põem as pessoas mais bonitas, que permitem esconder borbulhas, disfarçar gorduras, mudar o tom de pele, engrossar lábios, mudar a cor dos olhos… enfim, um sem número de retoques que acabam por criar uma imagem irreal, fazendo com que a pessoa apareça de uma forma que não é. 

Para os adolescentes que estão bem resolvidos quanto à sua imagem, os problemas não se levantam, mas o mesmo não se pode dizer dos que lidam com problemas de confiança e de autoestima, principalmente se os filtros forem usados de forma excessiva.

Isto porque segundo especialistas, os jovens, habituados a fotografarem-se constantemente com filtros, sentem-se desconfortáveis, quase como “despidos”, ao verem a sua imagem ao natural na objetiva. 

“Quando as pessoas colocam o filtro na imagem e, por exemplo, mexem um pouco no nariz, tiram uma mancha, mudam os lábios, isso começa a fazer com que determinem o novo normal ao corpo e comecem a ter problemas em aceitar a sua imagem real”, explicam os médicos.  

E nesta matéria, os psiquiatras alertam para a doença dismorfia corporal, caracterizada por um foco obsessivo de uma pessoa sobre o que esta considera ser um defeito.

“Começa com o que denominamos de insatisfação corporal ou com a própria imagem. Isso é comum nos adolescentes e, também persiste na idade adulta. O recurso excessivo a esta prática dos filtros pode potenciar o desenvolvimento deste transtorno”.

Karlla Lima, psicóloga clínica brasileira e especializada em temas sobre autoestima e autoaceitação, constata que tem sido comum pacientes chegarem com questões sobre uso das redes sociais, como a “busca do inalcançável”.

Para ela, os filtros vieram como uma ferramenta inofensiva, voltada para o entretenimento, porém, alguns seguiram para a área da estética, o que preocupa os profissionais da saúde. “O problema não está na utilização desse estilo de filtro, mas no fato de só se sentirem bem quando os utilizam”, diz.

Face a isto, o importante será sempre perceber se o adolescente se sente bem ao olhar-se ao espelho, sem edições, filtros ou retoques. E para isso, os pais devem estar vigilantes.  

É possível aumentar a autoestima: 

Não fazer comparações

Nunca esqueçam que nas redes sociais as pessoas só mostram o lado feliz, ou “encenam” cenas felizes. Portanto, nada de cair na tentação de comparar a vida dos outros com a nossa. 

Manter a privacidade

É importante relativizar a importância dos gostos e perceber que “não vale tudo”. A exposição desmesurada não é aconselhada e só poderá trazer coisas negativas. 

Cuidar de nós

Não há nada mais importante para gostarmos de nós do que sabermos cuidarmo-nos. Portanto, toca a comer bem e a praticar exercício físico, pondo de lado maus hábitos ou vícios. 

Ficar offline

Às vezes é preciso desligar. É essencial termos tempo para desfrutar da vida real e ficar offline das redes sociais. É viver os momentos em pleno sem estarmos de telemóvel em riste.