Numa pacata família…

0
65

Mãe sombra se confessa. Confessa que gosta de ler livros como Crianças Felizes, de Magda Gomes Dias, e lê com frequência as crónicas de Mário Cordeiro. Mãe sombra se confessa ferozmente convicta de uma educação positiva e de responsabilização. Mãe sombra confessa já ter ido ouvir palestras de grandes senhores defensores destas causas e confessa, ainda, concordar com todas estas teorias. Mãe sombra tenta, jura que tenta, implementar todas as dicas. Mãe sombra confessa muitas vezes falhar.

Vamos lá imaginar este cenário comum em casa de uma pacata família. É dia de semana e vamos acordar os pequenos. Umas vezes bem-dispostos, outras com o mundo às costas. Mas vamos mesmo supor o melhor cenário. Estão bem dispostos e tomam o pequeno almoço sozinhos. Chek em matéria de autonomia. Vestem-se sozinhos. Impecável. Tudo com calma para ninguém stressar de manhã. Eles precisam de tempo. Nós não. Nós acordamos duas horas mais cedo para que esta tranquilidade se instale quando eles acordam. Tudo bem. Fomos nós que escolhemos ser pais e mães. Agora que tudo corre bem o relógio começa a falar connosco. E diz que ou saímos dentro de cinco minutos ou vamos chegar atrasados. Então, calmamente dizemos. –  Meninos, temos de sair podem calçar-se? – Vamos, mais uma vez imaginar que à primeira (nunca me aconteceu) vão buscar os sapatos e começam a calçá-los. E começam a atar os atacadores e nós pacientemente em brasa interior dizemos que temos de nos despachar. Eles atam os sapatos, mas não corre bem à primeira. Repetem. E nós calmamente em brasa. E não aguentamos. Saltamos para cima dos seus pés furiosamente e atamos os sapatos. Pegamos em cada um pelos colarinhos e vestimos-lhes os casacos. Saímos e no elevador sorrindo enquanto fervemos por dentro dizemos para nós mesmos – Tinha de ser, melhor assim do que levarem falta de atraso. – Eu, mãe sombra me confesso, desculpo-me tantas vezes com os meus próprios argumentos.

Mãe sombra aprendeu que gritar não é solução, nem castigar. Mãe sombra acredita que responsabilizar é a forma mais eficaz para termos uns adultos à maneira no futuro. Mãe sombra sabe que deve alertar para as consequências das ações, mas não deve evitá-las. Muito bem. Mãe sombra está consciente que todas as leituras, palestras e até workshops são úteis. Até a prática de yoga ajuda a ter calma, foco e determinação. Mãe sombra está capaz até de dizer que é a mulher mais segura do mundo.

Voltemos ao nosso imaginário e a uma qualquer pacata família. É hora de jantar. Cada um no seu dispositivo e mãe sombra chama para a mesa. Ninguém reage. Mãe sombra faz uma saudação ao sol como se no tapete de yoga se encontrasse, respira e volta a chamar elogiando os seus próprios cozinhados. – É só acabar este jogo – ouve. Mãe sombra ganha uma cor rosada nas faces, mas certamente foi do calor do forno porque Mãe sombra está calma e vai saber gerir isto tudo com uma bela conversa. E repete que o jantar está na mesa. Vai ser uma refeição agradável e todos vão desligar os telefones. – Vamos já. Mãe sombra parece ver um fumo sair-lhe dos olhos. Respira – Desliguem agora. – Está quase. – Não dá. – Mãe sombra dá dois gritos vindos lá bem do fundo.  – AGORA! JÁ! – E tudo acontece. Os meninos deixam o telefone e Mãe sombra tem tudo sentado à mesa. Mãe sombra se desculpa. Está cansada e a capacidade de argumentação diminui e por isso tem de abrir uma exceção e evocar o autoritarismo. Grito desculpado.

Mãe sombra avisa. – Se o casaco ficar na escola vais passar frio porque a mãe não vai comprar um novo. – Responsabilização. Mãe sombra orgulhosa. Caneco. Casaco na escola. Constipação. Mãe sombra fica em casa três dias. Mãe sombra vai ter de comprar um casaco.

Mãe sombra parece uma mãe falhada. Só que não. Mãe sombra sabe que o bom senso é a sua maior qualidade. Por isso mãe sombra repete para si todos os dias:

Se dá para conversar, não grita.

Se dá para orientar, não ajuda.

Se dá para responsabilizar, não faz por eles.

Se foi bom, elogia.

Se foi mau, questiona como pode ser melhor.

Se gosta, dá abraços.

Se se zanga, dá abraços.

Se nada está a funcionar, tudo é permitido. Grita, ajuda, faz por eles, diz mal, ralha, nem se aproxima.

Pela sanidade de mãe sombra e o crescimento dos seus filhos,

Ámen.

POR: Mãe Sombra