Minha filha/ meu filho, meu amor, minha vida

0
57
picture of happy mother with baby in hands

A capa deste mês é relativa ao Prematuro.

E na cronica deste mês trago-vos histórias de pessoas reais, que experienciaram a prematuridade ou não, mas que cada uma delas é, para mim, uma inspiração, exemplo de superação e onde o Amor impera sobre todas as coisas.

Eu e o meu marido somos uma das muitas mulheres e dos muitos homens com o privilégio de, com cerca de 38 semanas de gestação, termos sido pais.

Nas andanças da vida, como mulher, esposa, mãe, cuidadora, professora de yoga para crianças, vou acedendo a muitas histórias que assim não aconteceu.

Felizmente, todas as que conheço com finais felizes.

Mas muitas delas com cicatrizes na alma e no coração.

Mas, se para mim, o meu coração me sussurra quando acedo a estas histórias o quanto abençoados somos, também me diz o quanto fã eu sou das crianças que lutam pelo sopro da vida e dos pais (mãe e pai) que se revelam uns enormes guerreiros e personificam a resiliência e a superação pois não baixam os braços. Muito embora, no primeiro momento, sintam um forte murro no estômago e que a vida está a dar-lhes uma provação dura demais.

Quem perde um dos filhos gémeos, mas tem um amor tão imenso no seu peito que supera essa dor todos os dias participando e fazendo crescer a cada momento o bem-estar e a felicidade do filho sobrevivente. Esta criança que respira e faz respirar, quem dele esteja perto, uma enorme doçura, gentileza, simpatia, alegria, felicidade. Tão reveladores da nobreza daquela alma.

E, apesar da dureza da sua história, encontram enquanto casal um amor imenso entre si e pelo seu filho que não abrem mão de um dos seus maiores propósitos de vida: crescer a família.

E então, com o coração apertadinho, mas com muita determinação, se assim o sonharam, assim o fizeram acontecer: uma princesa vem ás suas vidas. São uma verdadeira Família Maravilhosa, uma real e verdadeira inspiração. Uma vivida e autêntica confirmação de que onde há amor, tudo se supera.

Uma mãe que, embora o seu cansaço seja de uma imensidão quase sobre-humana, o seu benjamim continua a ser o seu foco. Faz por superar uma suspeita médica de autismo, um divórcio, a perda de um ente muito querido, a solidão…e ainda assim, tem o mundo no seu olhar! Porque tem um imenso amor no seu coração que a faz respirar: o seu amado menino.

Um casal que tem os seus quatro braços unidos por dois corações imensos cujo maior desejo é serem pais. E entre exames, possíveis tratamentos, e diversos volte-faces, não abrem mão do que para eles é uma vontade incontornável de trazer a este mundo o seu bebé.

E mais, muito mais para além estas histórias. Histórias bem reais, verdadeiras, repletas de uma imensidão de sentimentos, sentidas em cada poro, em cada célula dos seus protagonistas. E que que são encarnadas por muitos dos mortais.

E eu curvo-me perante esta gente de alma grande, pois o que sinto e vejo é o que me dão a conhecer e a sentir: que é o amor maior que os norteia, o amor a um(a) filho(a).

A vida que ensinou e ensina-me diariamente. Dá-me a oportunidade de intensificar a minha sensibilidade ao que é genuíno e puro, e para mim é muito puro o amor de uma criança. E é esse amor que desponta em nós o querer o melhor, o fazer o melhor pelos nossos filhos.

Mas lembrem-se: eles podem ser o foco, e sim os nossos filhos são de uma importância vital, então também nós merecemos estar no foco. Porquê?! Ora bem, porque se não cuidares de ti, na verdade o(a) teu(tua) filho(a) não estará tão nutrido(a) afetivamente como se tu cuidares.

Como fazê-lo? Analisa os teus gostos pessoais, o que aquieta a tua mente, o que te permite encontrar um verdadeiro balão de oxigénio para te sentires viva(o), para te sentires plena(o), para estares bem.

E se estás bem, quem perto de ti está, o está também! E quem melhor para o sentir senão quem tem um dos canais mais diretos ao teu coração, ao teu ser?

Recordo-te que eu estou preparada para vos acolher nas minhas aulas em escola e nas aulas de Babyoga e Playoga e Playoga em Família através das aulas em grupo ou através de aula particular (sim, posso ir até ti). Contacta-me que dar-te-ei uma resposta com todo o gosto a este respeito.

Através desse email (claudiamineiromiudosegraudos@gmail.com) também podes dar-me a tua opinião acerca desta e de crónicas anteriores como também dar sugestões de outros temas a serem desenvolvidos em futuras edições.

Conto convosco, dêem-me notícias com o vosso feedback e sugestões 😉

Grata por me leres, e espero poder contar com a tua honrosa leitura na próxima edição.

Despeço-me com um beijinho voador, esperançada que na próxima edição nos reencontraremos aqui na Miúdos e Graúdos e muitos artigos interessantes.

Bem-hajas e até breve,

Cláudia Mineiro

(Professora desde 2016 da Escola Babyoga Portugal, com o mote “A gerar um novo mundo” e “Estou aqui para cuidar de ti”)