Mãe… dói-me a cabeça!!!

0
955

Quando a minha filha com 6 anos começou a queixar-se de “dores de cabeça” pensava que era fita e que não queria fazer algo. Media-lhe sempre a febre e não tinha. No entanto, conhecendo-a bem e verificando que em muitas destas ocasiões não haveria uma motivação externa, e sendo eu também uma doente crónica de enxaqueca, comecei a aperceber-me que não deveria ser uma simples dor de cabeça. Ela queixava-se que a luz e o som a incomodavam, ficava mal disposta e com vómitos, e mostrava-se muito cansada, surgindo a cada episódio a hipótese mais distinta de enxaqueca.

Ainda assim, as cefaleias, vulgarmente conhecidas como dores de cabeça, são um problema muito frequente em idade pediátrica. Calcula-se que quase metade das crianças até aos 7 anos e mais de metade dos adolescentes até aos 15 anos já sofreram um episódio de cefaleia. É uma das principais causas de absentismo escolar.

Visto que mais de metade dos adultos com enxaqueca não tiveram um diagnóstico correto e não são tratados, como identificar a doença numa criança? Existem diferenças entre a enxaqueca infantil e a de adultos, como as crises serem tendencialmente mais curtas e menos frequentes. Não obstante, estudos mostram que familiares próximos como pais ou irmãos podem sofrer da doença.

Depois de começar a ser frequente, procurei um Neuropediatra e começámos a fazer um diário das dores dela, do que ela estava a fazer na altura da crise, o que fez para que melhorasse, e quanto tempo durou. Ajustaram-se os analgésicos e elaborou-se um relatório para entregar na escola, tudo de acordo com um quadro de episódios de enxaqueca.

A escola compreendeu e tem sido uma grande ajuda, pois quando ela se queixa, dão-lhe prontamente a medicação e escrevem na caderneta do aluno para eu saber o que foi feito. Torna-se mais fácil e ela sofre o mínimo possível com a rápida ação.

A minha filha continua a ser seguida por uma médica Neuropediatra e continuamos o diário. Tem agora 8 anos.

POR: Rute Cardoso, 41 anos ( mãe de Joana Cardoso, 8 anos)

As cefaleias e enxaquecas podem ser assustadoras para as crianças e deixá-las ansiosas, com medo da próxima crise, ou seja, as enxaquecas podem ser um fator de stress para a criança e também para os pais, que se sentem muitas vezes perdidos e sem saber o que fazer e a quem recorrer. A MiGRA Portugal, Associação Portuguesa de Doentes com Enxaqueca e Cefaleias, pode ser uma ajuda preciosa pois dispõe de informação que ajudará os pais a compreenderem o que se passa, permite a partilha de experiências entre pais e crianças com doença e incentivará os pais a procurarem ajuda especializada.

https://www.facebook.com/migrapt/

CONTEÚDOS PATROCINADOS Stories