O Lobo que queria mudar de cor

0
200

de Orianne Lallemand e Élénore Thuillier

Certa manhã, ao acordar, o Lobo olhou-se ao espelho e não gostou de se ver. A cor preta era monótona e triste, logo decidiu mudar de cor.

Em cada dia de semana foi variando, para escolher com qual gostava mais de se ver. Mas não foi tarefa fácil. “O que poderia ele fazer?”

Na segunda-feira pintou-se de verde, depois da tinta secar no seu pelo macio olhou para o espelho e achou que não lhe ficava bem. Parecia um sapo grande e gordo.

Na terça-feira achou uma bela ideia, vestir-se de vermelho, um pullover que a avó tricotou e uns collants da mesma cor. Pegou no espelho e não gostou do que viu, parecia o Pai Natal.

(…)

Reflexão

O Lobo que acordou insatisfeito com o seu aspeto, resolveu mudar de cor.

Nos vários dias da semana foi sempre tentando uma nova cor.

Mas nada resultou. Afinal, descobriu que era de si próprio que gostava!

É importante sentirmo-nos confortáveis como somos e aceitar os outros tal como são!

“Tell me and I forget, Teach me and I remember, Involve me and I learn.”
– Benjamin Franklin

 POR: Cristina Ponte e Sousa _ Educadora de Infância

( Leia este artigo na integra na nossa próxima edição capa Agosto)