Mais de um milhão de portugueses sofre de problemas da tiroide, principalmente mulheres

0
70

68% desenvolve nódulos e 7 a 15% dos doentes poderá ter cancro

Em Portugal, mais de um milhão de portugueses sofre com problemas da tiroide, principalmente mulheres. Hoje, 68% destas pessoas desenvolve nódulos e 18% corre o risco de desenvolver doença autoimune tiroideia, com potencial alteração da função desta glândula. Cerca de 7 a 15% poderão mesmo desenvolver um cancro.

A tiroide tem como principal função produzir e libertar na circulação sanguínea as hormonas responsáveis pelo controlo do organismo. Localizada na base do pescoço, produz as hormonas responsáveis por regular vários órgãos – desde a pele, ao coração, passando pela função cerebral, intestinos, peso e metabolismo.

Tanto a diminuição (hipotiroidismo) como o aumento da produção de hormonas (hipertiroidismo) leva ao aparecimento de doenças. Cláudia Freitas, médica endocrinologista no Atrys Centro Médico Avançado, em Santa Maria da Feira, alerta para a necessidade de um rápido diagnóstico e um tratamento eficaz.

“As doenças da tiroide são muito frequentes na população. O risco de cancro depende sempre da idade, do sexo, de antecedentes pessoais e historial familiar, mas o hipo e o hipertiroidismo exigem rapidez de resposta, pois a tiroide influencia todos os sistemas do corpo humano e tem um forte impacto na saúde”, diz a especialista.

Atualmente é possível, por exemplo, tratar quistos benignos sem cirurgia graças à injeção de etanol. Cláudia Freitas defende uma abordagem multidisciplinar às doenças que afetam esta glândula, combinando inovadoras técnicas de diagnóstico e tratamento.

“Na Consulta de Alta Resolução de Tiroide da Atrys, a equipa de endocrinologistas trabalha de forma próxima com especialistas de Medicina Nuclear, Oncologia, Radioncologia e Cirurgia. Só assim é possível oferecer o tratamento mais adequado e uma resposta ampla ao doente, sempre com foco na rapidez e prevenção”, explica a médica.

Numa só consulta, é possível solicitar exames, realizar ecografias e até executar a citologia, se necessário, de forma a acelerar o diagnóstico e dar início ao tratamento.

Os sintomas podem ser pouco específicos e, inicialmente, a doença até pode ser completamente silenciosa – mas habitualmente tem manifestações cardiovasculares, psicológicas, neurológicas, ósseas e metabólicas, entre outras.

O tratamento é principalmente médico, mas em muitas situações é necessário recorrer a tratamento definitivo com iodo radioativo ou cirurgia.

O hipo e o hipertiroidismo exigem tratamento rápido e eficaz, já que são condições que influenciam todos os sistemas do corpo humano e têm forte impacto na saúde do indivíduo.

Regra geral, o doente fica compensado com a medicação, mas deve ficar sob maior ou menor vigilância médica em função da idade ou da existência de outras patologias.