Como explicar a guerra às crianças

0
123

A história da Humanidade é marcada por vários momentos de conflito armado.

Infelizmente, a guerra não faz apenas parte do passado e num mundo globalizado as notícias da atualidade chegam aos mais jovens através dos mais variados meios.

Tendo em conta a violência envolvida, há que saber como explicar a guerra às nossas crianças. 

Comunicação clara mas pacificadora

A inteligência emocional será determinante para os pais e professores que vão explicar aos mais novos, afinal, o que é que se está a passar. A comunicação deve ser, por isso, clara e pacificadora. A forma como abordamos o tema pode ajudar as crianças a lidarem melhor com os impactos que uma guerra pode trazer a nível emocional. 

Antes de qualquer explicação, é fundamental que os adultos pesquisem para poderem relatar a verdade dos factos. Quando as crianças têm muitas dúvidas e se mostram inquietas em relação ao tema, é necessário contextualizar e aproximar esse tipo de acontecimento à realidade e ao discernimento de cada criança.

Podemos começar por explicar que as guerras começam quando um povo quer o que o outro também quer. E que começam uma luta. 

Aproximar os factos à realidade infantil 

Para facilitar a compreensão da criança, pode-se fazer uma analogia sobre o que é comum acontecer na escola, quando dois amigos discutem por quererem o mesmo brinquedo. É claro que a guerra é mais perigosa e destrutiva, porém, esse exemplo pode facilitar o entendimento da criança.

Pode dizer que a guerra acontece porque os governantes querem ter mais poder ou mais dinheiro e que em vez de tentarem chegar a um acordo (no caso do brinquedo seria um menino brincar um pouco e deixar o restante tempo para o colega brincar), deixam-se levar de forma errada pela raiva ou por quererem mostrar-se mais fortes do que o outro, e a discussão acaba numa luta.  

Será importante reforçar a importância de conseguirmos controlar a emoções e não fazermos como alguns adultos que entram em guerra porque não aprenderam a lidar com os seus sentimentos nem conseguem colocar-se no lugar do outro. 

Na escola

O assunto pode ser abordado em sala de aula, valorizando aspectos como a paz, a empatia, a tolerância e os direitos humanos. Os maus exemplos podem tornar-se uma referência do que está mal no mundo e no ser humano. A criança deve perceber que os valores da guerra são condenáveis. 

A complexidade destes confrontos bélicos vai mais além do que estas explicações, mas podem ser um bom começo para que a criança vá assimilando bons princípios e gerindo também as suas emoções. 

É importante também que a criança saiba identificar os aspetos internos que agem como impulsionadores de uma guerra como: disputa de poder, orgulho, medo de perder, sentimento de escassez e falta de amor.

O filme Divertidamente pode ser um bom aliado para que a criança entenda melhor a forma como podemos controlar as nossas emoções.