Entrevista a Carolina Vale Quaresma

0
126

Carolina como nasceu esta vontade de trabalhar os temas do sono e do comportamento em crianças e em bebés?

Desde muito cedo tinha a vontade de trabalhar com crianças. Formei-me em animação socio- cultural com essa ideia já muito presente. Trabalhei em escolas, creches, ATL´s, campos de férias e fiz também voluntariado com crianças institucionalizadas. Mas foi sem dúvida quando decidi mudar-me para Londres e, posteriormente Austrália (um sonho de criança) onde trabalhei directamente em casa das famílias. Aí sim, foi ter a noção de como viviam a parentalidade e deu-me uma consciência muito clara daquilo que era as suas maiores dificuldades e necessidades. Decidi então dedicar-me ao estudo como terapeuta do sono infantil, porque de facto esta constitui uma das maiores problemática na parentalidade e afeta enormemente as famílias, diria que em todo o mundo. Mais que as próprias crianças ou os bebés. Nesta experiência no estrangeiro e com várias famílias, foi-me possível aplicar estes métodos e observar os resultados extremamente positivos a curto prazo. Tinha famílias a ligar-me a pedir conselhos e a recomendar a outras famílias.  Pensei “se é para ajudar famílias, faz-me sentido que sejam as do meu país!” e fiz malas e voltei para Portugal, onde continuo esse trabalho com dezenas e dezenas de famílias. Os resultados falam por si.

É possível conseguir resultados a curto prazo quando muitas vezes os pais dizem que já tentaram de tudo, mas não conseguiram? 

Sim, sem dúvida. Mas vamos ver, existem duas dificuldades que se esgotam antes dos pais me pedirem ajuda. A primeira é essa que fala, do “já tentámos de tudo”. A segunda é já o desespero e a influência que isso tem, mais que no bebé, mas sim nos próprios pais. Na família. Em relação à primeira o problema muitas vezes são os falsos argumentos que circulam por aí, sobre os métodos a usar. Muitas vezes dizem aquilo que os pais querem ouvir. E obviamente não levando a resultados transformam-se em frustrações. E aqui passamos para a segunda, no que isso reflete no casal, na família. Se os pais não estiverem bem é impossível que o bebé ou a criança esteja bem. Não acredito em filhos terríveis, mas em pais inseguros, e é fácil ficar inseguro com tanta informação contraditória. Por isso as famílias ficam muito surpreendidas quando digo no início que, se estiverem comprometidos e forem consistentes num espaço de 1 semana temos já resultados muito satisfatórios. O foco do meu trabalho é fazer famílias felizes e descansadas.

( Leia entrevista na integra Edição 11 Miúdos&Graúdos Capa Fevereiro em banca até 20 Fevereiro)

Coach familiar

Carolina Vale Quaresma tem uma filha e destacou-se a nível nacional e internacional pelo seu trabalho, com mais de 15 anos de experiência como coach familiar, nas áreas de terapia de sono e comportamento infantil.