DOC ESCOLAS 22

0
88

12 SESSÕES DE CINEMA PARA ESCOLAS

A história conta-nos como chegamos e onde estamos: durante os 11 dias desta edição visitamos o passado com a restrospectiva A Questão Colonial, vemos e pensamos o presente com filmes que tocam temas emergentes, como a urgente crise climática, as questões de saúde no trabalho, questões de cunho social e de género atravessadas pelo quotidiano de diversas comunidades.

Preço: 1€ por participante, mediante inscrição prévia através do formulário ou para projecto.educativo@doclisboa.org

Sessão 1

07 OUT (sex), 10h30, Culturgest – Pequeno Auditório | A partir do 3º ciclo

To the End | Rachel Lears | 2022 | Estados Unidos da América | 2022 | 96’

Acabar com a crise climática é uma questão de coragem política e o tempo não pára. Ao longo de três anos de turbulência e crise, quatro notáveis mulheres jovens de cor lutam por um acordo verde e espoletam uma mudança histórica na política climática dos EU.

Áreas: Ciências Políticas, História, Sociologia, Antropologia, Ciências do Ambiente

Palavras-chave: Activismo, Crise Ambiental, Feminismo, Política, Questões Sociais, EUA.

Sessão 2

07 OUT (sex), 14h,  São Jorge – Sala 3 | A partir do secundário

Africa on the Seine | Paulin Soumanou VIEYRA and Mamadou Sarr | 1955 | Senegal | 21’

De acordo com o Decreto Laval dos anos 1930, os projectos de filmes estavam sujeitos a censura prévia. Neste contexto, os realizadores não obtiveram autorização para filmar em África e, em vez disso, fizeram esta curta sobre as vidas de africanos em Paris. O filme revela questões de estudantes sobre a sua identidade, civilização, cultura e futuro. O narrador interroga-se se África está apenas em África ou também nas margens do Sena.

Áreas: Ciência Política, História, Relações Internacionais, Sociologia,    Antropologia, Cinema

Palavras-chave: Colonialismo, Migração, Desigualdade

Black Girls  | Ousmane Sembène | 1966 | Senegal, França | 65’

Diouana, uma jovem de uma aldeia senegalesa, deambula por Dacar todos os dias à procura de trabalho. Apesar da enorme oferta de mulheres desempregadas, dada a sua subserviência, é “escolhida” para ama de uma família francesa rica. Quando tem autorização para se mudar para França para viver com eles, parece um sonho a tornar-se realidade. Quando esse sonho se torna num pesadelo sem escapatória, decide fazer um último gesto de auto-determinação.

Áreas: Estudos de Género, História, Relações Internacionais, Sociologia,      Antropologia, Cinema, Estudos da Cultura

Palavras-chave: Colonialismo, Migração, Desigualdade, Feminismo

Sessão 3

10 OUT (seg), 10h30, Culturgest – Pequeno Auditório | A partir do secundário

The Day I Discovered that Jane Fonda Was a Brunette | Anna Salzberg | 2022 | França | 82’

Pergunto à minha mãe pelo seu compromisso feminista e pela razão pela qual teve uma criança sozinha. Não me responde. Quero perceber o mistério. Descubro o movimento das mulheres dos anos 1970, um cinema feminista activista, e a cineasta que sou muda.

Áreas: Estudos Feministas, Estudos de Género, História, Cinema, Estudos da Cultura

Palavras-chave: Direitos das mulheres, Direitos humanos, Movimento Feminista

Sessão 4

10 OUT (seg), 14h, Cinema São Jorge – Sala 3 | A partir do secundário

Elfriede Jelinek – Language Unleashed | Claudia Müller | 2022 | Áustria, Alemanha | 97’

Criança prodígio, autora escandalosa, traidora da pátria, feminista, amante de moda, comunista, terrorista da linguagem, artista vulnerável. Um filme sobre Elfriede Jelinek, que, em 2004, foi a primeira pessoa austríaca a receber o Nobel da Literatura.

          Áreas: Estudos Feministas, Estudos de Género, Literatura, Artes, Moda, Estudos da Cultura

Palavras-chave: Trajectória, Moda, Mulheres, Prémios

Sessão 5

11 OUT (ter), 10h30, Culturgest – Pequeno Auditório | A partir do 3º ciclo

Aurora’s Sunrise | Inna Sahakyan | 2022 | Arménia, Lituânia, Alemanha | 97’

Com 14 anos, Aurora perdeu tudo durante o horror do Genocídio Arménio. Fugiu para Nova Iorque, onde se tornou num sucesso mediático. Misturando animação, o testemunho de Aurora e material redescoberto, o filme devolve a Aurora a sua história esquecida.

Áreas: História, Ciências Políticas, Estudos Feministas, Sociologia, Artes, Estudos   da Cultura.

Palavras-chave: Guerra, Migração, Mídia, Feminino

Sessão 6

11 OUT (ter), 14h, Cinema São Jorge – Sala 3 | A partir do 2º ciclo

I Saw | Vadim Kostrov | 2022 | Rússia | 29’

Nizhny Tagil, Setembro de 2021. Dois músicos encontram-se para compor a canção Ya Videl. O filme é uma memória, um gesto que, contra todas as expectativas, nos lembra a verdadeira força e beleza da criação artística, uma tentativa órfica de olhar para trás.

            Áreas: Artes, Música, Sociologia

Palavras-chave: Música, Trabalho, Criação Artística

Such a Long March | Dominique Loreau | 2022 | Bélgica | 62′

O filme acompanha a migração repleta de perigos dos caranguejos chineses, importados da China para o ocidente por acaso no início do século XX. Uma parábola poética moderna, uma metáfora existencial e slapstick, mostrando o mundo “pelo olhar de um animal”.

Áreas: Estudos do Ambiente, Sociologia, História, Relações Internacionais

Palavras-chave: Importações, Adaptação de espécies, Mercado internacional, Migração

Sessão 7

12 OUT (qua), 10h30, Culturgest – Pequeno Auditório | A partir do 3º ciclo

A Morte de uma Cidade | João Rosas | 2022 | Portugal | 116’

No centro de Lisboa, o edifício de uma antiga tipografia é demolido para dar lugar a apartamentos de luxo. Vendo isto como uma imagem perfeita da morte de uma certa Lisboa, o realizador retrata o quotidiano do estaleiro de obras e os que aí trabalham.

Áreas: Ciência Política, Estudos Africanos, Geografia, História, Arquitetura, Sociologia

Palavras-chave: Cidade, Gentrificação, Trabalho, Migração, Desigualdade

Sessão 8

12 OUT (qua), 14h, Cinema São Jorge – Sala 3 | A partir do 3º ciclo

As Maçãs Azuis | Ricardo Leite | 2022 | Portugal | 83’

Edila Gaitonde nasceu nos Açores e foi a primeira mulher portuguesa a casar com um goês de origem indiana durante a ditadura de Salazar. Por intermédio dela, ficaremos a conhecer histórias sobre uma Goa desconhecida e um Portugal esquecido.

Áreas: Ciência Política, História, Relações Internacionais, Sociologia

Palavras-chave: Ditadura, imigração, passado. 

Sessão 9

13 OUT (qui), 10h30,  Culturgest – Pequeno Auditório | A partir do 3º ciclo

Tattooed on Our Eyes We Carry the Aftertaste | Diana Toucedo | 2022 | Espanha | 26’

Os apanhadores de marisco de um vilarejo no sul da Galiza (Espanha) esforçam-se diariamente para plantar, desenterrar e cuidar do limiar entre a água do mar e a areia. De forma simbiótica, surge uma consciência colectiva e afectos dos seus corpos, gestos e palavras.

Áreas: Estudos Ambientais, Estudos de Género, Geografia, Ciências do Trabalho

Palavras-chave: Trabalho, Matriarcado, Pesca

The Beach Of Enchaquirados | Iván Mora Manzano | 2021 | Equador | 87’

Vicky é pescadora de dia e dona de um bar à noite. Quando era criança, o sonho dela era ser estrela de novela radiofónica. Agora, sonha voltar a apaixonar-se. Como é possível que um lugar pequeno e árido no terceiro mundo tenha conseguido alcançar esta forma especial de liberdade e tolerância?

Áreas: Estudos de Género, Estudos Ambientais, Estudos Sul Americanos,   Ciências do Trabalho, Antropologia, Sociologia

Palavras-chave: Transexualidade, Trabalho, Relações Pessoais, Pesca

Sessão 10

13 OUT (qui), 14h, Cinema São Jorge – Sala Manoel de Oliveira | A partir do secundário

Bentuguese | Daniel Borga | 2022 | Portugal | 16’

Depois das aulas, um grupo de crianças reúne-se na Casa de São Bento, sede de um projeto comunitário, onde têm a liberdade de sonhar, brincar e crescer. Numa máquina do tempo, pensam sobre o seu futuro.

Áreas: Pedagogia, Sociologia, Antropologia, Estudos do Ambiente

Palavras-chave: Infância, Futuro

The Imaginary House | Maxence Tasserit | 2021 | França | 43’

Na vila de La Chaux-de-Fonds, na Suíça, um colectivo de artistas está a ser despejado da casa que vêm ocupando há seis anos. Com apenas um mês para encontrar uma solução, decidem pedir um novo sítio para morar directamente ao Estado.

Áreas: Estudos Políticos, Arquitetura e Urbanismo

Palavras-chave: Despejo, Juventude, Ocupação, Estado

Atopia | Olivier De Vos | 2021 | Bélgica | 18’

Atopia é um ensaio introspectivo sobre a procura de um lugar que existe entre a realidade e a imaginação: um lugar sem lugar, feito de sonhos, quimeras e um desejo de fluidez de género.

Áreas: Estudos de Género, Antropologia

Palavras-chave: Sonhos, Desejos, Fluidez de Género

What Do I Look Like | Adèle Shaykhulova | 2022 | França | 28’

Muhammad tem 23 anos e vive confinado a Paris. Enquanto a sua provação se arrasta, aguarda, tentando encontrar o seu lugar nesta cidade estranha onde a frustração de crescer e apanhar sonhos é mais poderosa e ingénua.

Áreas: Estudos Políticos, Antropologia, Sociologia

Palavras-chave: Migração, Juventude

Sessão 11

14 OUT (sex), 10h30, Culturgest – Pequeno Auditório | A partir do 2º ciclo

The Pawnshop | Łukasz Kowalski | 2022 | Polónia | 78’

Jola e Wiesiek gerem provavelmente a maior loja de penhores da Europa em Bytom, na Polónia. Com o encerramento de minas e o desemprego a crescer, os dias de glória já passaram. A loja dá prejuízo, mas torna-se num pólo importante para a comunidade local.

Áreas: Ciências Políticas, Ciências do Trabalho, Sociologia, Antropologia.

Palavras-chave: Comunidade, Crise política e de trabalho, Precariedade,     Relações Humanas

Sessão 12

14 OUT (sex), 14h, Cinema São Jorge – Sala 3 | A partir do 3º ciclo

Invisible Hands | Hugo Dos Santos | 2022 | Portugal | 96’

“Nos anos 1970, uma casa em Paris acolhia dezenas de desertores portugueses que se esquivavam à guerra colonial. De personagem em personagem, reunindo testemunhos e imagens amadoras, reconstruo esta memória clandestina.” Hugo Dos Santos

Áreas: História, Estudos de Guerras, Colonialidade, Sociologia, Antropologia

Palavras-chave: Guerra, Colonialidade, Desertores de Guerra

 SESSÃO SÉNIOR

Sessão de cinema com debate para público sénior

Com orientação da cineasta Nathalie Mansoux

A partir do visionamento de várias curtas metragens portuguesas e francesas que tratam da questão colonial, vamos reflectir sobre a representação das ex-colónias destes países nos filmes mostrados.

Preço: 1€ por participante, mediante inscrição prévia através do formulário ou para projecto.educativo@doclisboa.org

07 de OUT (sex)/ 16h, Sala 2, Cinema São Jorge

Filmes: …

DOCS 4 KIDS

OFICINAS PARA CRIANÇAS E JOVENS DOS 4 AOS 15 ANOS

As oficinas Docs 4 Kids promovem a aproximação ao documentário através do desenvolvimento de actividades práticas de expressão artística. Procuram dar resposta às necessidades dos diferentes graus de crescimento, com propostas que trabalham os filmes da forma mais adequada e motivadora para o seu público-alvo.

Pela sua natureza de experimentação, motivam a participar activamente e desenvolver diferentes áreas do pensamento. Por isso admitem grupos reduzidos – entre 12 e 25 participantes – de forma a que todos possam usufruir ao máximo do acompanhamento do formador.

Todas as oficinas acontecem dentro do horário e período lectivo quando para escolas, ou aos finais de semana, de inscrição livre (no caso das férias escolares). Dividem-se por 3 ciclos de ensino ― Pré-Escolar, 1º Ciclo do Ensino Básico e 2º Ciclo do Ensino Básico, e 3 faixas etárias de inscrição livre ― 4 aos 7 anos, 8 aos 11 anos, 12 aos 15 anos.

Com os mais pequenos, as oficinas contam com a participação de acompanhantes (responsáveis) promovendo a interação familiar e entre membros responsáveis pela educação não formal das crianças e jovens.

As oficinas Docs 4 Kids abrem espaço para inventar e criar. Partindo de curtas e longas-metragens, as actividades desenrolam-se pela partilha de experiências e ideias que o cinema nos traz. Nesta edição, a questão colonial, o trabalho e a crise climática estarão no centro das oficinas Docs 4 Kids.

Objectivos

Despertar o interesse pelo cinema, vendo e interpretando um filme; dar a conhecer a importância do cinema como meio para perceber o mundo desde perspectivas incomuns; construir uma narrativa e reinventar formas de contar; valorizar a linguagem artística indo além do tema abordado; questionar, sempre!

Metodologia

Partindo de filmes ou fragmentos, propõe-se uma actividade, em que, após o visionamento e conversa, se parte para o desenvolvimento de uma actividade artística que materialize as ideias suscitadas pelo grupo.

Formadora

Nathalie Mansoux é autora-realizadora de documentários. Estudou antropologia social na Universidade de Paris Nanterre e no ISCTE, em Lisboa, onde trabalha desde 2001. Os seus filmes foram exibidos em vários festivais internacionais como Cinéma du Réel, FidMarseille, IndieLisboa (Via de Acesso – melhor longa-metragem portuguesa). Nathalie trabalha também para a Cinemateca Portuguesa, retrospectivas e festivais de filmes.

Preço para fim de semana: 4.5€ por participante, mediante inscrição prévia através do formulário ou para projecto.educativo@doclisboa.org

Bilhete com desconto para sócios da Fundação Inatel e para sócios Apordoc – 3.5€

Preço para escolas: 1€ por participante, mediante inscrição prévia através do formulário ou para projecto.educativo@doclisboa.org

Oficinas de fim-de-semana Docs 4 Kids

Duração: 2h

Preço: 4.5€/participante (acompanhantes não pagam, se aplicável)

08 OUT (sáb) / 11h, Museu do Aljube

16 OUT (dom) / 11h, Museu do Aljube

As minhas prendas ao Planeta Terra

para crianças dos 4 aos 7 anos (acompanhadas de um adulto)

O que é que se passa no mundo? Será que a nossa Terra está feliz? O que é que lhe poderíamos oferecer?

Vamos visionar uma curta-metragem e criar livrinhos, com fotogramas, desenhos e textos, sobre a Terra dos nossos sonhos e os nossos presentes para ela.

08 OUT (sáb)/ 15h, Museu do Aljube

O que são as ex-colónias Portuguesas para mim?

Para crianças dos 8 aos 11 anos

A partir do visionamento de um filme, vamos reflectir sobre as nossas representações pessoais das ex-colónias portuguesas e tentar transmitir com desenhos e testemunhos filmados a complexidade do nosso pensamento.

09 OUT (dom) / 11h, Museu do Aljube

História de uma Migração (Orientação: Fausta Pereira)

Para jovens dos 13 aos 17 anos

Crianças refugiadas na Grécia tiveram a oportunidade de contar as suas histórias através do cinema de animação. Nesta sessão, Tahereh Rezaee irá apresentar a curta-metragem que realizou, “Wings of Hope”. Numa conversa aberta com os participantes, falar-se-á de migração, integração, conflitos e sobre o poder de contar uma história.

09 OUT (dom) / 15h, Museu do Aljube

16 OUT (dom)/ 15h, Museu do Aljube

O que são as ex-colónias Portuguesas para mim?

Para jovens dos 12 aos 15 anos

A partir do visionamento de um filme, vamos reflectir sobre as nossas representações pessoais das ex-colónias portuguesas e tentar transmitir com sons e imagens a complexidade do nosso pensamento.

Oficinas escolares Docs 4 Kids

Duração: 1h30

Preço: 1€/participante, para grupos de 10 ou mais alunos (professores/auxiliares não pagam)

06 de OUT (quinta)/ 11h, Museu do Aljube

07 de OUT (seg) / 11h, Museu do Aljube

12 OUT (qua) / 11h, Museu do Aljube

As minhas prendas ao Planeta Terra

Para crianças do ensino pré-escolar

O que é que se passa no mundo? Será que a nossa Terra está feliz? O que é que lhe poderíamos oferecer?

Vamos visionar uma curta-metragem e criar livrinhos, com fotogramas, desenhos e textos, sobre a Terra dos nossos sonhos e os nossos presentes para ela.

10 OUT (segunda) / 11h, Museu do Aljube

Oficina Zig Zag: Rádio pra que te quero? (duração 50 min)

Para crianças do 1º Ciclo

Se a rádio é mais velhinha do que a televisão e ainda assim nos traz informação de “última hora” e os HITs mais frescos.

Se nos fala ao ouvido e nos faz viajar pelos mais incríveis lugares da nossa imaginação.

Se é, tantas vezes, a única companhia e o único recurso em zonas de conflito… afinal, rádio, quem és tu e para que nos serves?

11 OUT (ter) / 11h, Museu do Aljube

13 de OUT (qui) / 11h, Museu do Aljube

O que são as ex-colónias Portuguesas para mim?

Para crianças do 1º ciclo

A partir do visionamento de um filme, vamos reflectir sobre as nossas representações pessoais das ex-colónias portuguesas e tentar transmitir com desenhos e testemunhos filmados a complexidade do nosso pensamento.

14 de OUT (sex) / 11h, Museu do Aljube

14 de OUT (sex) / 15h, Museu do Aljube

A escola: um lugar de formação e transmissão e/ou recusa e revolta?

Para crianças do 2º ciclo

A partir do visionamento de uma média-metragem, vamos reflectir sobre a escola enquanto lugar de formação e transmissão e/ou motivo de recusa e revolta.

A seguir, vamos criar um mural em papel da escola dos nossos sonhos com fotogramas do filme visionado e desenhos.

FORMAÇÃO DE PROFESSORES 

Em parceria com Os Filhos de Lumière e com o Plano Nacional das Artes, no 20º Doclisboa terão lugar duas formações creditadas para professores e agentes educativos, nas quais serão integradas sessões DocEscolas, contando que o cinema possa gerar ferramentas pedagógicas para o desenvolvimento dos conteúdos curriculares.

Participação da formação “O Cinema a Cidadania” mediante inscrição prévia através do formulário ou para projecto.educativo@doclisboa.org.

Participação da formação “Azuis ultramarinos” mediante inscrição com o Plano Nacional das Artes.

*As oficinas são gratuitas e creditadas.

Formação “O Cinema a Cidadania” – colaboração Os Filhos de Lumière

Todos os encontros têm duração de 3h

Formadoras: Ana Eliseu, Teresa Garcia e Nathalie Mansoux

24 de SET (sáb) / 10h, Rua das Gaivotas, 6

1º encontro: com professores

Dar a conhecer o programa, as ferramentas pedagógicas e uma metodologia participativa, que procura levar o aluno a descobrir por si próprio através de questões que lhe vão sendo colocadas, a olhar para um filme através do processo de criação cinematográfica, a ver, a ouvir e a sentir, aquilo a que geralmente não presta atenção.

Sessões DocEscolas serão sugeridas por um formador do Projecto Educativo conforme as áreas pedagógicas dos participantes.

06 de OUT (qui) / 14h, Sala 2, Cinema São Jorge

2º encontro: sessão com professores e alunos

Projecção de filmes incluídos na colecção dos programas CinEd com a presença dos alunos. Diálogo entre cineastas, professores e alunos sobre as questões de cinema e as de cidadania presentes em cada filme (a partir da matéria cinematográfica) e através da metodologia participativa.

15 de OUT (sáb) / 10h, Museu do Aljube

3º encontro: com professores

Sessão de balanço intermédio sobre o trabalho desenvolvido pelos docentes no âmbito do trabalho autónomo e proposta de outras pistas pedagógicas a aplicar, a partir das questões colocadas por estes e das sugestões presentes nos cadernos pedagógicos do programa. Também serão debatidos os conteúdos das sessões DocEscolas.

Data 25 e 26 de Outubro / – 10h Cinemateca Júnior

4º encontro: sessão com professores e alunos

2a projecção-conversa com filmes da plataforma CinEd e a presença dos alunos, pondo em prática a metodologia deste projecto, estabelecendo um percurso entre os filmes e as questões de cinema e de cidadania que estes sugerem ou levantam.

26 de Novembro / – 10h Cinemateca Júnior

5º encontro: balanço final com professores

Balanço final da oficina através da apresentação e reflexão sobre os trabalhos realizados pelos alunos com quem os docentes formandos trabalharam no âmbito do seu trabalho autónomo e debate sobre a experiência partilhada na oficina.

As sessões integradas DocEscolas serão escolhidas de acordo com a disponibilidade dos professores

Formação “Azuis ultramarinos”

Acção realizada em parceria com o Plano Nacional das Artes e projecto FILMar, operacionalizado pelo Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, integrado no Mecanismo Financeiro de Apoio EEAGrants, 2020-2024

Todos os encontros têm duração de 3h

Formadora: Maria do Carmo Piçarra

24 de SET (sáb) / 15h, Sala Luís de Pina – Cinemateca Portuguesa

1º encontro: com professores (3h)

Azuis ultramarinos. Pioneirismo na propaganda colonial nos filmes antes

da II Guerra Mundial. Documentários de propaganda política, industrial e turística a

partir de final da década de 40. Censura no Novo Cinema com enfoque nas colónias.

Os casos Catembe e Deixem-me ao menos subir às palmeiras…. Internacionalismo

cinematográfico e movimentos de libertação. Filmes políticos e militantes nas e

sobre as (ex-)colónias portuguesas.

11 de OUT (ter), 10h30, Sala M. Félix Ribeiro – Cinemateca Portuguesa

2º encontro: sessão com alunos e professores (3h)

Participação no debate sobre os critérios da censura cinematográfica.

Catembe | Faria de Almeida | 1965 | Portugal | 65’

Catembe – Cortes Censura | Faria de Almeida | 1965 | Portugal | 11’

Catembe documenta os sete dias da semana no quotidiano de Lourenço Marques. Após uma série de entrevistas em que Manuel Faria de Almeida pergunta a transeuntes na Baixa lisboeta o que sabem sobre Lourenço Marques, o filme integrava sequências de ficção protagonizadas pela mulata Catembe. O corte, imposto pelo Ministério do Ultramar, de 19’ dos 87’ da obra, motivou uma segunda versão, documental, de apenas 45’, por sua vez proibida pela Comissão da Censura.

Sessão acreditada para professores (duração 3h), sábado 24 Setembro, na Cinemateca, dirigida a professores. Lotação 47 lugares.

Sessão acreditada para professores acompanhando alunos (duração 3h), 11 Outubro, 10h30, Cinemateca. Lotação: 227 lugares

Os professores que quiserem, também podem ir assistir ao filme no dia 13 às 19h30, numa sessão aberta ao público, mas aí não há acreditação.