Como Lidar com as Birras

0
41
Como Lidar com as Birras
Como Lidar com as Birras

Tinha em mente escrever este artigo com base nas birras do Daniel entre os dois e os seis anos. Voltei atrás alguns anos e anotei as birras mais valentes que tive de gerir. Contudo, ao começar a escrever, dou comigo a “viver” uma birra com um pré-adolescente. E, como acredito que nada acontece por acaso, decidi reformular e redirecionar o artigo de forma a passar algumas dicas sobre como lidar com birras no geral.

No geral, “birras” são momentos de explosão de frustração, raiva, ou de “comportamento desorganizado”.  Por outras palavras, são momentos em que “lhes salta a tampa”. E embora as birras sejam características de crianças entre os dois e os seis anos, cada vez mais observamos crianças, adolescentes e adultos a “perderem a cabeça”. O motivo: a incapacidade de exprimirem ou gerirem as suas emoções e sentimentos.

O cerne da questão é a inteligência emocional. Desde cedo, é importante, essencial e obrigatório cultivarmos a necessidade de gestão das emoções dos nossos miúdos e também dos graúdos. Há que entender que todos somos seres emocionais e que a capacidade de entendermos e identificarmos emoções nas nossas crianças é a melhor forma de prevenir birras. Passemos à prática com quatro dicas que podem ser utilizadas para lidar com birras de miúdos e graúdos.

Dica 1: Amor e Compaixão

Amor e Compaixão? Como e porquê? Há que relembrar que uma das maiores necessidades humanas é amor! As birras são maioritariamente uma forma de chamar a atenção. Se, perante o início de uma birra respondermos de forma irritada, com alguma “frustração”, a mensagem que passamos é a de que não nos importamos, não os amamos, não os compreendemos. Esta situação irá aumentar a intensidade da birra, porque o sentimento de falta de amor apenas aumenta. E porque falei sobre compaixão? Porque quando estamos perante a birra de, por exemplo, um colega de trabalho, antes de respondermos e reagirmos devemos sempre lembrar que aquela pessoa também procura atenção e que, tal como nós, é um ser emocional. Isto irá ajudar a responder adequadamente à situação.

Dica 2: Escutar

Quem quer atenção quer ser ouvido. Não existe forma mais poderosa de comunicação do que escutar. Escutar atentamente, ou seja, ouvir e olhar diretamente nos olhos, perceber a fisiologia… E depois de escutar, repetir a mensagem, ou seja, garantir que a informação foi corretamente captada. Há que perceber exatamente qual o motivo da birra… Escutar atentamente irá travar o pico da birra, porque se está a obter o que se pretendia inicialmente: atenção!

Dica 3: Ensinar / Explicar

Antes de falar, devemos garantir que não estamos irritados. O mínimo sinal de irritação ou impaciência da nossa parte terá o efeito contrário: aumentar ainda mais a birra. Devemos ser firmes a falar, mas com um tom que indique compaixão e entendimento. Neste momento explicamos o nosso ponto de vista com clareza e firmeza.

Dica 4: Recusar Participar

A birra continua? Simples: recusar participar. Quando um não quer, dois não dançam. Tão simples assim. Quando lidamos com crianças, o melhor que podemos fazer neste momento é, por exemplo, de forma firme, explicar que enquanto não se acalmarem não estamos dispostos a ouvi-los e que quando estiverem calmas podem voltar e falar novamente sobre o assunto. Quando lidamos com adultos com birras o método é o mesmo.  

Estas quatro dicas podem poupar-nos de muitas dores de cabeça. Contudo, é importante, essencial e obrigatório mencionar também algumas coisas que convém não fazer perante uma birra.

Dica 5: Não Mudar de Ideias

Se a birra foi espoletada por termos negado alguma coisa ou não concordarmos com alguma coisa, o pior que podemos fazer é mudar de ideia. A mensagem que estaremos a passar, principalmente aos miúdos, é a de que uma birra é uma forma de obterem o que querem ou levarem a melhor. Relativamente a graúdos, a minha opinião é a mesma: não ceder. 

Dica 6: Não Subornar

Aquela frase típica: “se te calares a mamã dá-te um rebuçado”… Nem pensar! Nunca! Por mais que a nossa vontade seja a de que a birra passe, esta é das coisas que nunca devemos fazer. Iremos passar a mesma mensagem: quando fazes uma birra, consegues aquilo que queres ou alguma coisa, pelo menos.

Dica 7: Não Perder a Calma

Respira. Inspira. Paciência. Não perder a calma é crucial para lidar com a birra. Quando permitimos que uma birra afete o nosso estado, passamos uma clara mensagem de que a birra nos afetou de forma negativa e a mensagem que passa é a de que: com uma birra consegues o que queres, ou pelo menos irritar as outras pessoas. Ou seja, se eu não estou feliz tu também não estás!

Todas as dicas estão relacionadas, não só com a inteligência emocional de quem faz a birra, mas também com a inteligência emocional de quem lida com a birra. Quando se trata de birras com crianças, cabe-nos a nós, adultos, saber geri-las da melhor forma, e o mesmo se trata com birras dos graúdos. De nada adianta tentar apagar fogo com fogo: tentar entender o outro lado, mostrar amor/compaixão e preocupação, querer perceber realmente o que se passa e passar a nossa mensagem com firmeza. No fim, a mensagem é: se alguém faz birra, não cedas e não faças birra também.

 POR: Adelaide Miranda _ Life Coach de Alta Performance