Bússola leva 500 crianças ao teatro

0
83

A Bússola Coração – Associação de Apoio Social levou 500 crianças ao teatro no passado domingo, dia 27 de novembro, para assistir ao musical “Shrek”, no Parque Mayer em Lisboa.

Esta foi, talvez, uma das iniciativas com maior impacto social deste Natal, pois falamos de crianças que enfrentam muitos desafios no seu dia-a-dia.

Destas crianças e jovens, entre os 13 e os 17 anos, encontram-se alguns com deficiências, outros hospitalizados, mas também filhos de reclusos ou, até mesmo, ucranianos que chegaram recentemente a Portugal e que estão ainda numa fase de integração.

Depois do espetáculo, estas crianças e jovens foram recebidos pelo Pai Natal e receberam, cada um, um presente de Natal.

“Para muitas destas crianças foi a primeira vez que foram ao teatro. Na verdade, não estamos a levar as crianças ao teatro, mas o teatro às crianças, com tudo de bom que o teatro tem, a começar pela alegria,” refere Marta Relvas, da Direção da Bússola Coração. “A Bússola é, como o seu nome indica, uma associação que procura levar o que mais é preciso a quem menos tem”, acrescenta.

Esta  iniciativa só foi possível graças a uma parceria com a Yellow Star Company, produtora do musical e mecenas principal, que ajudou no que diz respeito aos bilhetes. Associaram-se ainda a esta ação solidária outros mecenas particulares e privados – Missão Continente, Gullón e Faber Castel –, que apoiaram esta iniciativa com oferta de presentes.

Foram várias as instituições que se associaram a este projeto:

Casa da Criança de Tires, Casa dos Rapazes, Aldeias SOS, Ludoteca Fundação Marquês de Pombal, Cercica, Fundação “O Século”, CrescerSer, Associação Salvador, APPT21 Associação Diferenças, Academia do Johnson, Centro Paroquial do Estoril, Casa de Santana, Fundação do Gil, Gaivotas da Torre, Casa S. Francisco de Assis SCML, Casa de Acolhimento Quinta de S. Miguel, Mimar e Casa da Cidade.

“A Bússola Coração acredita que nenhuma criança ou jovem pode ficar para trás, e que não há dois caminhos iguais. E que se não sabemos para onde vamos, não podemos verdadeiramente avançar. E esta é a razão pela qual afirmamos “Bússola Coração”, porque todos precisamos de um rumo,” conclui Marta Relvas.