Alimentação nos primeiros 1000 dias de vida

0
127
Baby photo created by freepik - www.freepik.com (1)

A Direção Geral da Saúde traça as linhas orientadoras de uma alimentação saudável desde o primeiro minuto de vida, considerando-as fundamentais para um bom desenvolvimento e para prevenir eventuais problemas de saúde no futuro

Primeiros 6 meses de vida

Alimentação láctea exclusiva

É consensual, quer por parte das comissões de nutrição, quer pela Organização Mundial de Saúde, que o lactente pode ser exclusivamente amamentado durante os primeiros 6 meses de idade, devendo a amamentação manter-se a par da diversificação alimentar e durante a introdução na dieta familiar, ou seja, até aos 12-24 meses.

Durante o primeiro semestre de vida, caso o leite materno se torne insuficiente, a alimentação deve continuar a ser exclusivamente láctea, devendo utilizar-se, em complementaridade ou em alternativa, fórmulas infantis, cuja composição é concebida para se aproximar à do leite humano.

Importa referir que o aleitamento materno, mesmo que parcial ou em período menor que o desejável, mantém um efeito benéfico quando comparado com a alimentação exclusiva com fórmula infantil.

A partir dos 6 meses

Está na hora de diversificar a alimentação…

Depois dos seis meses de idade, uma alimentação exclusivamente láctea não supre, por si só, as necessidades energéticas e em alguns micronutrientes (ferro, zinco, vitaminas do complexo B entre outros), tornando-se necessária a introdução de outros alimentos.

A par da introdução de novos alimentos, deverá ocorrer uma redução progressiva do volume de láteos, concretamente de leite. No 2º semestre de vida o somatório de todos os lácteos (leite, iogurte e queijo) não deve exceder 500 – 700 ml/dia.

A oferta alimentar durante esta importante fase deve ser baseada na variedade e qualidade. A importância da nutrição na programação, não apenas do paladar e das preferências (programação de comportamentos), mas também da saúde/doença futura (programação metabólica), justificam a escolha para oferta ao lactente apenas de alimentos que integram a cadeia alimentar e a Roda dos Alimentos. 

Não devem, pois, ser oferecidos alimentos processados (ex: bolachas) nem com adição de açúcar (ex: sumos, sobremesas, bolos, doces) ou sal, sendo estes 2 aditivos (sal e açúcar) proibidos durante o 1º ano de vida.

De um modo em geral, para as crianças saudáveis, todos os alimentos podem ser introduzidos a partir da diversificação alimentar, exceto o sal, o açúcar, o mel, bebidas açucaradas e chás (nomeadamente por alguns deles conterem funcho) e a proibição do uso de leite de vaca como fonte láctea principal até aos 12 meses, salvaguardando-se o aumento progressivo da textura dos alimentos até à introdução na dieta familiar. 

O 1º grupo de alimentos que eventualmente poderá ser introduzido será o dos hortofrutícolas ou o dos cereais, ou seja, o creme de legumes ou a papa ou ainda a fruta.

O creme de legumes não deve incluir mais de quatro legumes, distribuídos da seguinte forma: 1 do grupo dos legumes “base” (batata normal ou doce, chuchu, curgete, beringela ou couve-flor), 1 do grupo dos fornecedores de betacarotenos (cenoura ou abóbora), 1 do grupo dos ricos em antioxidantes (cebola, alho ou alho-francês) e 1 de folhas (alface, brócolo, couve coração, etc. e feijão verde).

Fruta

A introdução da fruta pode ocorrer desde o início da diversificação alimentar. Importa, no entanto, referir que não devem ser excedidas inicialmente 1, e a partir dos 6 meses 2 peças de fruta por dia, preferencialmente da época e variada (cores diferentes). A fruta não deve ser usada como uma refeição/merenda, mas sim como sobremesa das refeições principais ou integrando/complementando uma merenda. Inicialmente devem ser oferecidas moídas e preferencialmente cruas (para não perderem as vitaminas termolábeis), podendo a maçã, a pera e a banana ser as primeiras a ser introduzidas.

A partir dos 7-8 meses será importante aumentar a oferta de hortofrutícolas menos moídos (crus e cozinhados), para estimular o treino das texturas.

Proteína animal (não láctea)

A proteína animal (não látea) deve ser introduzida ao 6º mês, constituindo uma fonte importante de fornecimento de ferro hémico.

Assim, a partir do 6º mês devem ser oferecidas ao lactente 30 g/dia de carne ou de peixe, peso considerado para o alimento cru e limpo de gordura, de forma a oferecer 4 vezes por semana carne e 3 vezes por semana peixe.

Tradicionalmente inicia-se a introdução com carnes de aves (frango, peru, avestruz) ou de coelho, menos ricas em ferro do que as carnes de bovino, mas também com menor teor de gordura saturada.

A carne e o peixe podem ser inicialmente adicionados ao creme de legumes, açorda ou farinha de pau e a partir dos 7 meses adicionar ao arroz, massa ou cuscus.

 Aos 12 meses

Apto para integrar os hábitos alimentares da família

Após um período em que a introdução de todos os alimentos foi ocorrendo de uma forma gradual, respeitando as características da criança e os hábitos da família, chegou a altura de se integrar na dieta familiar, reforçando ou implementando hábitos alimentares saudáveis.

Assim, a primeira mensagem importante será continuar a apostar na variedade da oferta alimentar. É importante variar ao máximo os alimentos que são oferecidos à criança, promovendo a familiarização com o máximo de sabores e texturas, e contrariando a neofobia alimentar (aversão a novos alimentos) característica de crianças entre os 2 e os 6 anos de idade.

Frequência de refeições

Três refeições principais (pequeno-almoço, almoço e jantar) e duas a três merendas

O tamanho das porções importa

  • Respeitar o apetite das crianças
  • Não se deve aceitar a repetição da dose

A oferta alimentar deve ser suportada em alimentos que integram a Roda dos Alimentos