A Higiene Oral e os Primeiros Dentinhos

0
227
Photo by Colin Maynard on Unsplash

Quando se fala em higiene do bebé, é imperioso abordar a sua higiene oral, pois o aparecimento dos primeiros dentinhos é sempre um acontecimento muito desejado pelos pais, mas simultaneamente deveras desgastante

Há que ter em conta que cada criança é diferente e cada qual vivencia esta etapa de forma ímpar em relação às outras crianças, algumas só sentem algum desconforto, enquanto outras sofrem imensas dores e lidam muito mal com o “romper” dos primeiros dentinhos. 

A higiene oral da criança deve ser iniciada ainda antes do dente “romper”, sendo que esta sensibilização começa ainda in utero, quando com a mãe grávida são realizados os primeiros ensinamentos para os cuidados orais ao bebé, bem como uma grávida, ao cuidar da sua saúde oral, está a promover a saúde do bebé.

Seja em casa, ou na escola, estas mensagens de prevenção de doenças orais devem acompanhar o crescimento da criança e ser incorporadas nos seus comportamentos do dia-a-dia, com vista à obtenção de ganhos em saúde oral. É  indispensável um investimento precoce e continuado por parte dos profissionais de saúde.

Mas por quantos dentes é composta a primeira dentição do bebé? 

A chamada dentição “de leite” é composta por 20 dentes e costuma estar completa entre os 20 e os 30 meses.

Antes do nascimento, os dentinhos já existem, mas estão escondidos no osso dos maxilares e, geralmente, começam a “romper” pelo sexto mês, embora possam surgir antes ou depois.

Normalmente, até ao primeiro ano devem começar a aparecer, caso contrário é aconselhável consultar um odontopediatra.

Primeiramente surgem os incisivos centrais do maxilar inferior, de seguida os superiores e, depois, os incisivos laterais. Por fim, irão aparecer os caninos e molares. 

Nem todos os bebés se comportam da mesma forma, assim, os sintomas não se manifestam todos de igual forma entre os bebés, e podem aparecer individualmente ou em simultâneo, com maior ou menor intensidade.

Destaco apenas alguns e mais recorrentes (dos quais não nos esqueceremos), são eles:

  • O bebé leva a mão ou objetos à boca consecutivamente para os mastigar (o que chamamos habitualmente de “coçar a gengiva”);

 

  • Tem mais baba que anteriormente, e por vezes podem surgir feridas associadas a este aumento da baba;

 

  • Notamos as bochechas mais vermelhas e quentes;

 

  • As gengivas apresentam-se vermelhas e inchadas;

 

  • Como dói, o bebé pode apresentar menos fome que habitualmente ou recusar determinados alimentos;

 

  • Os hábitos de sono podem ser alterados, com choro recorrente;

 

  • Durante o dia o bebé fica mais impaciente, grita e choraminga, procurando o contacto físico.

 

  • Podem surgir alterações digestivas, seja diarreia ou obstipação, associado a estes sintomas o próprio rabinho fica vermelho e irritado;

 

  • A febre também é um sintoma típico, os pais devem contactar o pediatra caso esta seja alta ou persista durante mais de dois dias.

A melhor forma de ajudar o bebé que sofre com estes sintomas é confortá-lo com muita paciência e mimo, muito colo, pois o carinho e as distrações são uma excelente forma de descentralizar a dor, mas existem estratégias que nos ajudarão nestas circunstâncias, por exemplo:

 

  • Massajar suavemente as gengivas do bebé, seja com o próprio dedo limpo, seja com a dedeira de silicone que pode ser encontrada nas farmácias;

 

  • Embeber uma compressa em água fria e aplicá-la suavemente na gengiva do bebé;

 

  • Como o fluxo de baba está a aumentar, é recomendável a utilização de babete e a sua mudança regular, de forma a manter a roupa seca;

 

  • Proteger a pele do bebé, seja pelas feridas causadas pela baba, seja pela irritação no rabinho através de cremes protetores;

 

  • Aplicar mordedor frio também é uma estratégia muito utilizada, uma vez que o frio tem um forte efeito na inflamação da gengiva e consequentemente no alívio da dor;

 

  • Em caso de dor muito intensa, deve consultar o pediatra de forma a ter uma melhor resposta a nível medicamentoso.

Mas quando iniciar a higiene oral do bebé?

Ainda antes da erupção do primeiro dente, os pais devem promover a higiene oral do bebé após a última mamada.

Depois de nascer o primeiro dente, a higiene deve ser incorporada duas vezes por dia, indispensável é que uma delas seja feita após a última refeição do bebé e numa rotina diária, de forma a evitar o desenvolvimento de cáries. 

Os pais podem utilizar uma compressa ou dedeira, com uma quantidade mínima de dentífrico fluoretado, selecionando uma pasta dentífrica infantil com uma concentração de 1000-1500ppm.

Após o nascimento dos 20 dentinhos, os pais devem tomar como medida orientadora para a quantidade de pasta de dentes um bago de arroz cru.

Sendo que quando o bebé atingir os dois anos, deverá ser incentivado a aprender a escovar os dentes, utilizando uma escova pequena e macia, sempre sob vigilância dos pais, que devem corrigir para que a escovagem seja realizada eficazmente. 

Por norma, a dentição desenvolve-se sem complicações e, além de ser uma fase bastante emotiva quer para os pais, quer para os bebés, é um momento que se vive intensamente em família e com muita alegria! 

POR: Ana Catarina Silva _ Enfermeira Especialista em Enfermagem médico-cirúrgica

Referências Bibliográficas:

Ministério da Saúde (2021). Programa Nacional Promoção da Saúde Oral 2021-2025. Lisboa: Direção-Geral da Saúde. ISBN: 978-972-675-297-4