A GALINHA RUIVA

0
44

Vivia numa quinta, cheia de animais, a galinha ruiva com os seus pintainhos.

Um dia, à procura de comida, esgravatando um pouco por toda a parte, encontrou uns grãos de trigo. Teve uma ideia fabulosa!

Partilhando o sucedido com os outros animais seus amigos, decidiu convidá-los para a ajudar a semear os grãos de trigo. Mas o cão, o gato e o pato não quiseram ajudar a galinha ruiva. Então, esta, decidiu que o faria ela própria.

A galinha ruiva semeou os grãos de trigo. As sementes germinaram, começando a crescer espigas altas e douradas. Chegou o momento em que o trigo ficou maduro e a galinha ruiva voltou a perguntar aos seus amigos se a queriam ajudar a ceifar aquele trigo. Mas a resposta dos animais foi a mesma. Então foi ela fazê-lo. Ceifou até à última espiga e quando acabou de colher os grãos todos, perguntou quem a ajudava a levar os grãos para o moinho. Como ninguém a quis ajudar, colocou os grãos de trigo num saco e seguiu para o moinho. 

Depois da farinha acabada de moer, voltou a perguntar se, desta vez, a ajudavam a fazer o pão com aquela farinha. As respostas foram iguais às anteriores. Como sempre acontecia, a galinha ruiva pôs mãos à obra e começou a amassar a farinha, com água e um pouco de sal, colocou os pães no forno e esperou. 

O pão ficou cozido e foi retirado do forno no tabuleiro. O aroma era delicioso e espalhou-se pela quinta.

Nesse momento, os animais aproximaram-se da cozinha da galinha ruiva, eles que nunca a tinham ajudado, agora queriam provar o pão quentinho. Desta vez, a galinha ruiva respondeu-lhes que não ia partilhar o pão com eles, porque foi ela que semeou o trigo; ceifou as espigas e foi ao moinho, para depois cozer o pão. Portanto agora, quem ia comer o pão quentinho era ela e os seus pintinhos!

Nesta história aprendemos que não devemos ser preguiçosos, que no final do trabalho que realizamos somos recompensados!

(Conto Popular adaptado)

POR: Cristina Ponte e Sousa _ Educadora de Infância